sexta-feira, 12 de outubro de 2012

Massagem, a cura na sabedoria oriental

Desenvolvida pelos orientais há milhares de anos, as técnicas de massagem visam dissipar os bloqueios de energia no corpo, e restabelecer o equilíbrio físico e mental.

As técnicas de massagem têm origem em um tempo muito remoto, quando os instintos humanos eram mais aguçados e os recursos de tratamento pouco desenvolvidos. Com o passar dos séculos, as técnicas foram se aprimorando até que a massagem chegou aos dias de hoje como uma poderosa terapia capaz de atuar em um número de enfermidades físicas e emocionais.

As mãos em um trabalho ritmado, suave, firme e determinado podem trazer grande bem estar ao nosso corpo e, se levarmos ao pé da letra, podem se constituir em uma grande demonstração de cuidados, cumplicidade, carinho, apreço e respeito. É como se pudéssemos viajar no tempo e retornar ao colo materno.

Foi no oriente (China, Japão, Índia, Coreia) onde primeiro se desenvolveram as massagens que hoje denominamos genericamente de orientais. Enquanto no ocidente, mais precisamente na Idade Média, a técnicas de massagem e o próprio contato físico fraterno desaparecem, proibidos pelas religiões, para só reaparecerem no século XIX, no Oriente, seguindo os costumes de transmissão boca a boca, de pai para filhos, de mestre para discípulos, a massagem viva e atuante.

Não é por outra razão que, no estudo criterioso dessas técnicas, de seus efeitos reconhecidos, regras de aplicação, temos que nos valer dos ensinamentos orientais: “Tocar e ser tocado, eis a grande questão! Quanto medo de tocar alguém, quanta resistência para ser tocado por alguém!”

O Fluxo Energético

Em tempos modernos, onde as fronteiras do mundo cabem na tela do computador, onde as informações viajam em tempo real de um lado a outro do planeta, nada mais justo do que voltarmos os olhos para estes ensinamentos milenares.

O corpo humano visto pelo pensamento oriental está intimamente ligado às variações climáticas, à pressões sociais, às requisições profissionais, às velocidades sem medida da atualidade e aos caprichos da Nova Era. E visto assim, ele, corpo, é atravessado por forças externas e internas chamadas de chi ou ki, traduzidas como energia corporal vital.

Dizem os sábios do oriente que se esta energia estiver fluindo livre pelo corpo, temos todas as condições de boa saúde; agora, se por algum motivo ela diminuir ou aumentar seu ritmo, acumular em determinada parte do corpo mais exigida e consequentemente faltar em outra, estarão criadas condições para a dor, o desconforto, o desiquilíbrio, os sintomas patológicos, o adoecimento do organismo.

É neste sentido que as técnicas de massagem vêm trabalhar, buscando as dores e os alívios, as contrações e os amolecimentos, as flexões extensões, o calor e o frio. Em um primeiro momento, através da massagem dos pontos de reação energética, que em geral se coordenam em caminhos de energia chamados de meridianos, aquele que massageia busca “ler” as sensações de seu paciente. Num segundo instante, ele experimenta a dor e busca conquistá-la, visando o restabelecimento do fluxo energético. Por fim, o terapeuta interpreta a disfunção, procurando compreender junto ao massageado as suas causas. Eis aqui uma técnica grandiosa de cuidar através das mãos!

Foi devido à necessidade de alguns deficientes visuais japoneses, que viajaram à China em busca de técnicas de massagem para aliviar a dor de feridos em batalha, que nos primeiros séculos da era cristã nascia no Japão o shiatsu, criado com a missão de curar e recuperar. Fundamentado nos princípios da energia da Fonte Única, na energia bipolarizada yin e yang, na prática da massagem an-ma (difundida na China e mais usada para a manutenção da saúde), a técnica do shiatsu firmou-se no Japão e de lá atravessou os oceanos para ser estudada na Europa e América.

Os imigrantes orientais no Brasil, no início do século XX, já começavam a trazer as massagens até o público brasileiro, mas a princípio sem ensinar as técnicas fora das colônias.

Foram os precursores brasileiros, que estudaram fora do país, os responsáveis pela difusão dessa forma de terapia nos grandes centros urbanos e os tornaram acessíveis ao restante do povo.

Massagear, portanto requer uma formação cuidada se o objetivo for profissionalismo. Se o desejo é reconhecer o corpo humano, suas ações e reações, as características usuais de funcionamento, a identificação de algumas dores mais frequentes, o bem estar e a aproximação entre as pessoas, a massagem pode estar ao alcance de qualquer um. Milenar, sábia e eficaz.


Fonte: Terapias Holísticas – ano I – nº1

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Ocorreu um erro neste gadget
Related Posts with Thumbnails